Por que hoje não acontecem milagres?

Publicado em 24/08/2013 por Matheus Cardoso como Bíblia, Teologia
Tags:

Por que não existem milagres na igreja atual? Ou, pelo menos, por que eles são muito menos frequentes e impressionantes do que eram na época dos apóstolos?

A resposta é bastante simples, e penso que muitos a conheçam. O que talvez alguns desconheçam seja a base bíblica dessa explicação.

Em apenas uma frase, a resposta é a seguinte: pouco antes da volta de Jesus, “sinais e maravilhas” (= milagres) seria a marca do anticristo e dos falsos profetas, e não do povo de Deus.

Os três materiais do Novo Testamento que tratam do fim dos tempos enfatizam essa realidade:

• Apocalipse Sinótico

“Pois aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão grandes sinais e maravilhas para, se possível, enganar até os eleitos” (Mt 24:24; Mc 13:22).

• Apocalipse de Paulo

“A vinda desse perverso é segundo a ação de Satanás, com todo o poder, com sinais e com maravilhas enganadoras [“sinais contrafeitos”, NIV]. Ele fará uso de todas as formas de engano da injustiça para os que estão perecendo, porquanto rejeitaram o amor à verdade que os poderia salvar” (2Ts 2:9-10).

• Apocalipse de João

“E [a segunda besta] realizava grandes sinais, chegando a fazer descer fogo do céu à terra, à vista dos homens. Por causa dos sinais que lhe foi permitido realizar em nome da primeira besta, ela enganou os habitantes da terra” (Ap 13:13-14).

“Então vi saírem da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs. São espíritos de demônios que realizam sinais milagrosos; eles vão aos reis de todo o mundo, a fim de reuni-los para a batalha do grande dia do Deus todo-poderoso” (Ap 16:13-14).

“Mas a besta foi presa, e com ela o falso profeta que havia realizado os sinais milagrosos em nome dela, com os quais ele havia enganado os que receberam a marca da besta e adoraram a imagem dela” (Ap 19:20).

É importante notar que a expressão “sinais e maravilhas” se refere aos milagres divinos tanto no Antigo (Êx 7:3; Dt 4:34; 6:22; 7:19; 26:8; 29:3; 34:11; Ne 9:10; Sl 105:27; 135:9; Jr 32:20-21; Dn 4:2-3; 6:27) como no Novo Testamento (Jo 4:48; At 4:30; 5:12; 14:3; 15:12; Rm 15:19; 2Co 12:12; 2Ts 2:9; Hb 2:4). As “marcas de um apóstolo” verdadeiro eram “sinais, maravilhas e milagres” (2Co 12:12), e a autenticidade da salvação era testemunhada “por meio de sinais, maravilhas” e “diversos milagres” (Hb 2:4). Portanto, a obra do inimigo de Deus no tempo do fim seria uma imitação da obra de Cristo e de Seus apóstolos.

A Bíblia mostra claramente que nem sempre a existência de milagres indica a presença da fé, já que eles seriam realizados pelos que se opõem a Deus (veja os textos acima). E nem sempre a presença da fé implica na existência de milagres, já que vários personagens bíblicos – inclusive Paulo – não receberam a cura que desejavam (2Co 12:7-9 [cf. Gl 4:13-15]; 1Tm 5:23; 2Tm 4:20).

Em vez de milagres, a marca do povo de Deus no tempo do fim seria a sua fidelidade aos “mandamentos de Deus/palavra de Deus” e ao “testemunho de Jesus/fé de Jesus” (Ap 12:17; 14:12; cf. 1:2, 9; 6:9; 20:4), que são, respectivamente, o Antigo e o Novo Testamento (veja Tratado de teologia adventista do sétimo dia [CPB, 2011], p. 870, 878; Teologia do remanescente: uma perspectiva eclesiológica adventista [CPB, 2012], p. 100-102, 205, 226-242; Ekkehardt Müller, “The Two Witnesses of Revelation 11”, Journal of the Adventist Theological Society, outono de 2002, p. 30-45). Portanto, o foco do povo de Deus não estaria em realizar milagres, mas em proclamar a mensagem de toda a Bíblia.

Para saber mais sobre o tema, veja Marcos De Benedicto, O fascínio dos milagres: uma visão bíblica dos fenômenos de cura (Unaspress, 2006).