Mais que tolerância

Publicado em 14/03/2014 por Matheus Cardoso como Espiritualidade, Igreja

O mundo pode fazer quase tudo tão bem ou melhor do que a igreja. Não é preciso ser cristão para construir casas, alimentar os famintos ou curar os enfermos. Há apenas uma coisa que o mundo não pode fazer. Ele não pode oferecer graça. A singularidade do cristianismo se resume nesta única palavra: graça. […] O Caminho das Oito Etapas do Budismo, a doutrina hindu do carma […] e o código muçulmano de leis, cada um propõe uma forma de obter aprovação. A graça diz que Deus aceita você e o ama incondicionalmente, como está.

No entanto, se você entrevistar pessoas na rua, poucas, se alguma, associarão o cristianismo ou a igreja a algo que lembre a graça. O que elas sentem é a lei, tolerância zero, julgamento e condenação. Por que a igreja não usa seu maior recurso? Apesar de o mundo não poder oferecer graça, na ausência dela ele encontrou um substituto barato: a tolerância. […]

Tolerância implica suportar ou aguentar sem se queixar de algo de que não gostamos ou valorizamos. […] A tolerância não valoriza as pessoas, mas simplesmente suporta seu comportamento ou crenças sem queixas. […]

Se devemos reapresentar Deus por meio da igreja, devemos demonstrar muito mais do que tolerância. Devemos mostrar também a graça.

John Burke é pastor da Igreja Comunidade Gateway e presidente da Emerging Leadership Initiative. Retirado de Proibida a entrada de pessoas perfeitas: um chamado à tolerância na igreja (São Paulo: Editora Vida, 2006), p. 111-112.