Como a igreja te emburrece

Publicado em 02/08/2014 por Matheus Cardoso como Igreja, Teologia

Muitas vezes nós reclamamos da falta de intelectuais que sejam cristãos conservadores [isto é, que acreditam na Bíblia e levam-na a sério], mas o motivo desta escassez é tão óbvio que até assusta demorarmos para percebê-lo. A igreja emburrece as pessoas. Os jovens, desde pequenos mancebos, são ensinados a pecarem contra o mínimo da coerência e do raciocínio lógico para que possa descer mais confortavelmente, goela a baixo, todo tipo de arame farpado teológico e doutrinal que lhes são impostos.

Quando os jovens começam a formular suas racionalizações, eles descobrem, atônitos, que o rei está nu. Eles gritam alto, mas são calados com mais manteiga para o arame. Quando eles tentam fazer com que o mundo deles faça sentido, eles batem de frente com o muro de regras que não provém da Escritura. Constantemente, os jovens precisam lidar com contradições lógicas e práticas como se fossem a coisa mais normal do mundo e, quando levantam seus questionamentos, são tratados como meros rebeldes sem causa. Ouvem “Sola Scriptura” [somente a Escritura] no púlpito, e “Não podemos questionar o pastor” [ou outras pessoas, que, na prática, têm maior autoridade que o pastor] nos bancos. “Só seguimos o que nos diz a Escritura”, dizem nas escolas dominicais [ou sabatinas], mas [por exemplo] eles são proibidos de se vestirem de modo mais informal, mesmo que com ordem, decência e humildade, sob uma enxurrada de argumentos que não procedem do texto sagrado.

Com o tempo, ou eles fogem ao som de “Run, Forrest! Run!” [Corra, Forrest, corra!] a fim de conservar a própria sanidade, ou eles matam a própria habilidade de pensar, abandonam o raciocínio e usam mais manteiga na garganta.

(Yago Martins, via Facebook)

///

No contexto adventista, devemos notar que a reflexão acima não se aplica, de modo nenhum, à IASD mundial. A teologia e as orientações oficiais da IASD (Associação Geral) são profundamente bíblicas, cristocêntricas, equilibradas, coerentes e estimulam o uso da razão e do senso crítico. Basta ver obras oficiais da IASD como Nisto Cremos, Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, Manual da Igreja e Declarações da Igreja (todos publicados pela CPB), além de um sem-números de livros e artigos produzidos por estudiosos adventistas e outros líderes da igreja. Sem dúvida, a organização adventista tem sido guiada por Deus, e o será até o fim (veja Ellen G. White, Eventos Finais, p. 43-62; idem, A Igreja Remanescente). No entanto, o texto descreve com precisão a realidade da maioria das igrejas locais e da igreja em nível regional e nacional. É importante manter em mente esses dois lados para termos uma visão equilibrada da questão.